População maranhense deve começar a reduzir a partir de 2045, segundo IBGE

População maranhense deve começar a reduzir a partir de 2045, segundo IBGE

O Maranhão deverá registrar, a partir de 2045 redução na taxa de natalidade e com isto haverá um aumento da população idosa, consequência da diminuição da taxa de fecundidade. A informação é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que nesta quarta-feira (25) fez uma revisão da Projeção de População, que estima demograficamente os padrões de crescimento da população do país, por sexo e idade, ano a ano, até 2060.

A taxa atual de fecundidade brasileira para 2018 é de 1,77 filho por mulher. Em 2060, o número médio de filhos por mulher deverá reduzir para 1,66. Entre os estados, as maiores taxas de fecundidade serão em Roraima (1,95), seguido por Pará, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, todos com 1,80. As menores deverão ser no Distrito Federal (1,50) e em Goiás, Rio de Janeiro e Minas Gerais, todos com 1,55. Já a idade média em que as mulheres têm filhos é de 27,2 anos em 2018 e deverá chegar a 28,8 anos em 2060.

Atualmente, os estados do Norte e Maranhão (1,93), Espírito Santo (1,83), Paraná (1,80) e Goiás (1,79) possuem a taxa de fecundidade total acima da média nacional. Roraima (2,31), Amazonas (2,28), Acre (2,22) e Amapá (2,11) são os únicos que tem a fecundidade acima do nível de reposição em 2018 (2,1 filhos por mulher).

Já em 2060, Roraima deverá continuar com a maior taxa de fecundidade (1,95), seguido por Pará, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, todos com 1,80. As menores deverão ser Distrito Federal (1,50) e Goiás, Rio de Janeiro e Minas Gerais, os três com 1,55.

Gráfico mostra redução (divulgação)

População – A população total projetada para o país em 2018 é de 208,5 milhões. Esse número crescerá até alcançar o máximo de 233,2 milhões em 2047. A partir desse ano, a população irá diminuir até atingir 228,3 milhões em 2060, nível equivalente ao de 2034 (228,4 milhões).

A taxa de fecundidade total (número médio de filhos por mulher) projetada para 2018 é de 1,77 filho por mulher, e deverá reduzir para 1,66 em 2060. A revisão 2018 mostrou que o envelhecimento do padrão da fecundidade é determinado pelo aumento na quantidade de mulheres que engravidam entre 30 e 39 anos e pela redução da participação de mulheres entre 15 e 24 anos na fecundidade em todas as grandes regiões do país.

Taxas de fecundidade total estimadas e projetadas 2000/2060

Unidades da
Federação
Taxas de fecundidade
Estimadas Projetadas
2000 2010 2015 2018 2020 2030 2040 2050 2060
Brasil 2,32 1,75 1,80 1,77 1,76 1,72 1,69 1,67 1,66
   Norte 3,14 2,21 2,11 2,03 2,00 1,88 1,83 1,81 1,80
Rondônia 2,55 1,84 1,88 1,88 1,87 1,82 1,79 1,77 1,76
Acre 3,94 2,45 2,37 2,22 2,14 1,89 1,80 1,77 1,75
Amazonas 3,43 2,47 2,39 2,28 2,22 2,01 1,89 1,83 1,79
Roraima 3,50 2,48 2,30 2,31 2,25 2,06 1,99 1,96 1,95
Pará 3,09 2,14 1,99 1,92 1,89 1,82 1,80 1,80 1,80
Amapá 3,82 2,55 2,29 2,11 2,04 1,86 1,82 1,80 1,80
Tocantins 2,73 2,03 1,96 1,93 1,91 1,83 1,80 1,79 1,78
   Nordeste 2,59 1,82 1,78 1,75 1,73 1,69 1,67 1,66 1,66
Maranhão  3,25 2,12 1,95 1,93 1,90 1,83 1,81 1,80 1,80
Piauí 2,70 1,80 1,77 1,76 1,75 1,71 1,70 1,69 1,69
Ceará 2,60 1,75 1,74 1,70 1,69 1,66 1,65 1,64 1,64
Rio Grande do Norte 2,45 1,73 1,72 1,65 1,65 1,64 1,64 1,64 1,64
Paraíba 2,45 1,76 1,79 1,76 1,74 1,69 1,67 1,65 1,64
Pernambuco 2,46 1,79 1,83 1,76 1,74 1,68 1,66 1,65 1,64
Alagoas 2,90 2,00 1,83 1,76 1,74 1,69 1,68 1,68 1,68
Sergipe 2,68 1,82 1,78 1,74 1,72 1,67 1,66 1,65 1,65
Bahia 2,37 1,73 1,68 1,69 1,68 1,64 1,63 1,62 1,62
   Sudeste 2,07 1,63 1,73 1,70 1,70 1,68 1,65 1,63 1,61
Minas Gerais 2,14 1,57 1,62 1,62 1,61 1,60 1,58 1,57 1,55
Espírito Santo 2,17 1,73 1,85 1,83 1,83 1,79 1,75 1,71 1,67
Rio de Janeiro 2,03 1,59 1,75 1,74 1,73 1,68 1,64 1,59 1,55
São Paulo 2,04 1,67 1,77 1,72 1,72 1,70 1,68 1,67 1,65
   Sul 2,15 1,63 1,77 1,74 1,74 1,72 1,71 1,69 1,68
Paraná 2,19 1,72 1,80 1,80 1,79 1,76 1,74 1,71 1,68
Santa Catarina 2,10 1,60 1,74 1,74 1,74 1,72 1,71 1,69 1,68
Rio Grande do Sul 2,13 1,56 1,74 1,68 1,68 1,68 1,68 1,68 1,68
   Centro-Oeste 2,16 1,77 1,90 1,87 1,85 1,80 1,75 1,69 1,63
Mato Grosso do Sul 2,33 1,92 2,04 2,02 2,01 1,96 1,91 1,85 1,80
Mato Grosso 2,35 1,88 2,08 2,06 2,05 1,99 1,92 1,86 1,80
Goiás 2,02 1,69 1,82 1,79 1,77 1,72 1,66 1,61 1,55
Distrito Federal 2,13 1,65 1,71 1,68 1,67 1,63 1,59 1,54 1,50
Fonte: IBGE. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais
Via MA Hoje com dados do IBGE
GOSTOU? COMPARTILHE

Deixe seu cometário!

Colunista

SAÚDE – KELLY TEIXEIRA

Médica e Terapeuta Ocupacional, especialista em Saúde Mental

Colunista

POLÍTICA – WACY FREITAS

Jornalista e Advogado

Colunista

FAMÍLIA – Laércio Castro

Pastor, Jornalista, Conferencista e Terapeuta Familiar

Colunista

A Grande Jogada – Wallas Casanova

Jornalista e apresentador do Programa “A Grande Jogada” na Rádio Líder FM

Colunista

Timeline – Karleany Costa

Apresentadora do Programa “Timeline” na Rádio Líder FM

Colunista

Multicoisas – Nome do colunista

Lorem Ipsum é simplesmente uma simulação de texto

Colunista

Líder debate – Nome do colunista

Lorem Ipsum é simplesmente uma simulação de texto

Colunista

Moda e beleza – Nome do colunista

Lorem Ipsum é simplesmente uma simulação de texto

Colunista

Música Gospel – Nome do colunista

Lorem Ipsum é simplesmente uma simulação de texto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *